Já estamos completando quase um ano de pandemia e com isso, quase um ano de home office. Mas não preciso nem comentar em como tudo isso afetou nossa vida e a economia brasileira, não é? Nesse último ano tivemos que nos adaptar e tivemos o grande desafio de manter a saúde mental no meio desse furacão todo. Por isso, não está sendo fácil, não.

Esses dias recebi no meu email um material sobre Síndrome de Burnout e, por isso, achei que seria legal dividir com mais pessoas que também estão trabalhando de casa.

Veja também: 5 dicas para manter a rotina no home office.

Síndrome de Burnout e home office

A síndrome de burnout, que também pode ser chamada de síndrome do esgotamento profissional, foi incluída recentemente pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na nova Classificação Internacional de Doenças (CID – 11).  Por isso, a psicóloga Sabrina Amaral, da Epopéia Desenvolvimento Humano, explica que “A síndrome é um distúrbio psíquico relacionado à exaustão emocional, mental e física em decorrência de estresse crônico no trabalho. Se não for tratada, pode abrir portas para quadros mais severos como a depressão crônica e ansiedade generalizada.”

home office
Tem mais fotos do meu home office no @meuapartamentinho

A psicóloga conta que as questões sobre a síndrome de burnout se intensificaram com o cenário da pandemia. Principalmente também pela questão da ‘glamourização’ de uma vida ocupada demais, somada a eliminação dos limites entre vida pessoal e profissional no trabalho remoto. “No dia a dia fica muito difícil de separar e se desligar das coisas”, conta Sabrina Amaral.

A profissional ressalta que não existe um exame para detectar a Síndrome de Burnout, o diagnóstico é feito por profissionais através de uma avaliação clínica dos sintomas, mas você pode conhecer alguns deles clicando aqui. Testes de avaliação feitos com pessoas capacitadas ajudam a pessoa que está em sofrimento a identificar os sinais e pedir ajuda.

Principais sinais de alerta no home office

Então, os principais sintomas da síndrome de burnout apontados por Sabrina são:

Exaustão emocional;
Sensação permanente de cansaço ;
Insônia mas também distúrbios do sono;
Dificuldade de concentração;
Lapsos de memória;
Tensão muscular;
Dores crônicas;
Irritabilidade exagerada mas em situações corriqueiras;
Pessimismo exacerbado;
Apatia;
Baixa autoestima e sentimentos de inferioridade;
Sensação de culpa quando fora do trabalho;
Incapacidade de relaxar.

Além disso, a pessoa fica mais suscetível a infecções oportunistas em virtude da queda no sistema imunológico pelo excesso de hormônios do estresse. Olhando assim, eu sinto que já tive momentos da vida que passei por essa síndrome. Mas na época não consegui identificá-la.

O que fazer?

Caso você esteja se sentindo sobrecarregada e acha que esteja com os sintomas da síndrome de burnout, o melhor a fazer é procurar por ajuda psicológica. É comum acharmos que podemos lidar com esses sentimentos sozinhas, mas procurar por ajuda não é de maneira alguma sinal de fracasso.

Pelo contrário, é sinal de que você quer melhorar seu bem estar. Por isso o conselho é: procure ajuda psicológica. Atualmente é possível fazer isso até mesmo online, sem precisar ir presencialmente a um consultório.

Aqui eu contei tudo que aprendi fazendo terapia. Enfim, acho que foi a melhor coisa que já fiz por mim mesma.





Source link