O post de hoje é sobre óvulos! Isso mesmo! Você sabia que os óvulos envelhecem? Pois é, envelhecem e neste post, nosso colunista, o Dr. Roberto de Azevedo, especialista no assunto, explica porque isso ocorre. Confira!

Óvulos: por que eles envelhecem?

Hoje em dia não há uma mulher que não saiba que à medida que a idade aumenta, as chances de engravidar diminuem. No entanto, poucas sabem porque isso acontece. E você? Você sabe como ocorre o mecanismo de envelhecimento dos óvulos?

Em uma comparação inicial entre os ovários e os testículos, a melhor analogia que existe é a de que o ovário tem o comportamento de um armazém, enquanto o testículo, uma fábrica. Mas como isso funciona? Vou tentar explicar melhor a fisiologia das gônadas masculina e feminina para vocês.

Nos testículos, há uma linha de produção constante de espermatozoides ao longo da vida. A cada 60 a 70 dias, todos os espermatozoides são renovados. A “fábrica” pode até ir perdendo eficiência e qualidade com o tempo, mas, os espermatozoides, de um modo geral, estão sempre novos. Não é à toa que os homens podem ser pais até avançadas idades.

Já os ovários, quando digo que têm um comportamento similar ao de um armazém,  baseia-se no fato de que todos os óvulos são produzidos enquanto a mulher ainda é um feto.  Para ser mais preciso, até a vigésima semana de vida intrauterina.  A partir desse momento, ficam paralisados numa fase específica do ciclo celular chamada Prófase 1, da Meiose até o dia em que serão recrutados para serem ovulados.

Ao nascer, uma mulher possui algo entre 1 e 2 milhões de óvulos em cada ovário. Não há formação de novos óvulos após o nascimento, seus números vão apenas diminuindo desde então. Para se ter uma ideia, no momento em que as mulheres iniciam sua vida menstrual, os ovários já reduziram sua população oocitária para 400 a 500 mil óvulos.

Leia também: tudo o que você precisa saber sobre doação de óvulos

Ao longo da vida menstrual, no entanto, as mulheres irão ovular cerca de 500 vezes. O que nos leva a conclusão de que em cada ciclo menstrual, cerca de 1000 óvulos são recrutados para que apenas 1 seja selecionado para ovular. Quando os óvulos acabam, temos o que chamamos de menopausa.

Agora vocês sabem como os óvulos vão diminuindo com a idade. Isso explica a menopausa, mas não explica porque vai ficando mais difícil engravidar com o tempo, ou mesmo porque a chance de um aborto aumento, ou mesmo porque as síndromes cromossômicas, como Down, Edwards ou Patau passam a ser mais comuns.

Conforme dito acima, os óvulos ficam paralisados por décadas numa fase específica da divisão celular chamada de Prófase 1. Essa fase é o momento de maior sensibilidade da separação dos cromossomos no ciclo celular. À medida que os anos passam, 4 eventos vão acontecendo dentro dos óvulos que fazem com que a divisão do material genético vá aumentando a chance de ocorrer de forma errônea.

São eles, piora da qualidade das mitocôndrias, diminuição da porção de proteção dos cromossomas chamada de telômero, perda da qualidade das proteínas que ajudam na divisão celular dos cromossomos conhecidas como coesinas e, por fim, diminuição da qualidade dos microtúbulos que fazem a separação dos cromossomos.

Leia também: gravidez tardia – como se preparar para uma gestação saudável

As mitocôndrias são as usinas de energia das nossas células. Nos óvulos não é diferente. Elas são as responsáveis pela energia produzida para que o óvulo retome sua divisão celular. Contudo, como o óvulo fica paralisado no tempo, suas mitocôndrias não se renovam e vão perdendo eficiência. Com isso, a energia que elas produzem para que a divisão celular se complete diminui e o óvulo fica prejudicado.

Sobre os telômeros, todos cromossomos possuem uma cadeia de DNA nas suas extremidades que protege o restante da estrutura. Essas cadeias terminais são chamadas de telômeros, e, com o tempo, vão diminuindo e perdendo capacidade protetora. As células possuem uma enzima que é capaz de reduzir a velocidade de diminuição dos telômeros, chamada de telomerase. Entretanto, os óvulos possuem uma concentração baixa dessa enzima. Assim, acabam sendo mais suscetíveis a danos no DNA.

Sobre as coesinas e os microtúbulos, eles são essenciais na separação do DNA dos óvulos. Porém, conforme os anos passam, eles perdem a capacidade de realizar essa divisão celular corretamente, Com isso, aumentam as chances de se formarem óvulos com números desequilibrados de cromossomos.

Esses são os quatro principais mecanismos responsáveis pelo envelhecimento dos óvulos. Dessa forma, lembrem-se que adiar a maternidade de forma indefinida pode gerar uma grande dificuldade para as mulheres à medida que envelhecem, principalmente após os 35 anos.

Por isso, o planejamento familiar deve ser feito com muita atenção aos desejos das mulheres, mas sempre levando em consideração quantos filhos desejam ter, bem como a sua reserva ovariana (quantidade de óvulos e qualidade dos mesmos). Uma boa orientação com o ginecologista é essencial para definir a necessidade de se propor o congelamento de óvulos para tentar driblar esses mecanismos de envelhecimento.

CONHEÇA MEU LIVRO: “GRÁVIDA E PRÁTICA – UM GUIA SEM RODEIOS PARA A MÃE DE PRIMEIRA VIAGEM”:

PARA COMPRAR O LIVRO, CLIQUE:

Amazon: https://amzn.to/2S6NI8P
Livraria da Travessa: http://bit.ly/2PMLj10
Venda online com entrega em todo o Brasil





Source link