Exterogestação é uma teoria que descreve o período gestacional fora da barriga da mãe

A teoria da exterogestação indica que, além da gestação do bebê dentro do útero materno por 9 meses, ela deve durar por mais 3 meses após o parto. Ainda pouco conhecida no Brasil, essa ideia surgiu pela observação da evolução da espécie humana. Ao começar a caminhar sobre duas pernas, isso fez com que o osso da bacia da mulher se estreitasse, levando os bebês a nascerem cada vez mais cedo.

Por esse motivo, diversos especialistas afirmam a necessidade de uma transição da vida uterina do bebê para a vida após o parto. Além de permitir que ele se sinta mais seguro e tranquilo, essa técnica é importante para estreitar os laços entre os pais e o recém-nascido.

Neste artigo, vamos mostrar 5 dicas para tentar reproduzir o ambiente uterino para seu bebê. Confira!

1. Sons do útero

O som que o bebê escuta no ventre materno contribui para que ele se sinta mais calmo, e os sons externos podem ser assustadores para ele. Semelhante a um aspirador de pó ou secador de cabelo, aquele “shhhh” contínuo pode ser feito sempre que precisar tranquilizar seu pequeno. Você pode reproduzi-lo com a própria boca por cerca de 30 segundos ou usar aplicativos que imitam os sons uterinos.

Shutterstock Reproduzir os sons uterinos é uma das formas de promover a exterogestação

2. Balanço e sling

O contato pele a pele entre mãe e filho é fundamental pra estreitar o laço entre os dois. Por isso, procure carregá-lo em um sling ou canguru na hora de caminhar ou apenas para balançá-lo para dormir. Além de a posição ser aconchegante, o movimento e a temperatura são agradáveis para o bebê. Mantenha-o à altura do coração de modo a lembrá-lo o barulho que ouvia no útero.

3. Alimentação

Antes de nascer, a fonte de nutrientes do bebê ocorria por meio do cordão umbilical. Ao oferecer apenas o seio materno e em livre demanda, o bebê sentirá uma conexão que se aproxima daquele momento. Com o passar do tempo, o pequeno estará no rimo para ter mamadas programadas e em períodos mais espaçados.

4. Banho

O útero é um local apertado e o bebê fica cercado por água morna. Para simular esse ambiente na hora do banho, a dica é usar um balde ou dar um banho de ofurô. Assim, o recém-nascido vai poder experimentar uma sensação semelhante a que vivenciava dentro da bolsa amniótica.

A teoria da exterogestação visa reproduzir o ambiente uterino e os banhos de balde são ótimos para isso

Shutterstock O famoso “banho de balde” é uma das dicas para a exterogestação

5. Sono

Em relação ao sono, é importante permitir que o bebê durma sempre que desejar no início da vida. Nas primeiras semanas é normal que não haja um padrão de sono, o que deve ser respeitado. O ambiente precisa ser tranquilo e com luz baixa para não atrapalhar o pequeno ou deixá-lo agitado.

Cuidar para que o bebê faça uma transição tranquila durante o período de exterogestação pode trazer mais conforto e tranquilidade para ele. A partir dos 12 meses de vida essa fase chega ao fim, pois é quando o bebê já passa a entender que não está mais dento do útero materno e que possui um corpo único.

Para saber mais sobre as várias etapas do desenvolvimento do seu pequeno após o nascimento, leia nosso artigo sobre as principais fases do bebê.

Nos conte o que você acha!



Source link